20/12/13

Imagine Niall #14


Pés tremendo, suor frio, o medo estampado no rosto.
Niall, meu namorado, acabara de estacionar o carro em frente a minha casa.
Depois de um longo tempo viajando a trabalho pelo mundo, eu finalmente o teria pra mim.
Mas eu não queria ver Niall naquele momento, eu não queria sentir tudo que eu estava sentindo... Era eminente, e eu estava tentando adiar.
Minha voz tinha ficado fraca e tortuosa ao telefone, ele ficou assustado. E eu não queria contar a verdade. Eu não queria dizer o motivo de eu estar tão abalada emocionalmente.
Ouvi passos vindos do corredor, e comecei a tentar arrumar o cabelo e a parar de chorar.
Niall abriu a porta, sorridente como sempre, olhando para mim com um semblante otimista.
 - Eu estava com saudades! – ele sorriu, e eu o abracei.
Ficamos um bom tempo, abraçados, enquanto eu sentia o cheiro gostoso de seu perfume.
 - Eu te amo tanto – ele selou nossos lábios, e me rodopiou no ar. Fazendo minha saia, que ia até antes do joelho, voar.
Niall me soltou, e beijou minha testa, seu sorriso acabou assim que olhou em meus olhos.
Niall fez uma cara de confusão, e me olhou mais de perto.
 - O que aconteceu? – ele perguntou e um frio tomou minha barriga.
 - Niall, precisamos conversar... – eu disse e ele parecia ainda mais preocupado. – Por favor, se senta... – eu disse apontando para a cama, e Niall me obedeceu.
 - Amor... Me conta o que está acontecendo, por que você está assim... – Niall segurou minhas mãos, e passou a mão no meu cabelo, acariciando minha pele.
 - Niall... – tentei começar – eu vou acabar com a sua carreira...
 - Anh? Como assim?
Niall, eu andei passando mal. Muito mal... Aí eu comecei a ficar com medo, por que tinha essa virose circulando o Brasil, e eu temi estar mais doente do que eu pensava... – Niall ficava com rosto e o corpo enrijecido. Com medo do que eu ia falar.
Abaixei-me e fiquei o fitando de baixo pra cima. – Aí eu fui fazer exames... – eu tentava continuar, mas as lagrimas e os soluços não deixaram – Niall, eu estou grávida... – eu disse chorando mais ainda.
Não era choro de felicidade, nem de tristeza. Era choro de medo.
Niall havia ficado calado. Eu me levantei, e me sentei em uma cadeira acolchoada perto da cama.
Tapei meu rosto com vergonha entre as mãos e chorava mais e mais. Meu peito começara a doer.
 - Por favor, me perdoa! – eu pedi, falando baixo, ele continuou imóvel. Digerindo tudo. – Eu sei que fui irresponsável, que devia ter usado preservativos... Mas eu nem fazia ideia... Eu pensei que uma vez ou outra sem camisinha não ia fazer diferença. Aí teve aquele feriado que você passou no Brasil... E estávamos tão felizes, eu não pensei que eu pudesse... – continuei sem abrir meus olhos – eu não imaginei que estivesse no período fértil... Perdoa-me – comecei a berrar de tanto chorar.
Eu ainda estava no 3° ano do ensino médio. Com desessete. Niall viajava o tempo todo, me via de vez em quando. E já tinha seus 20 anos nas costas.
Eu não podia contar aos meus pais. Eu não podia dizer a eles que a filha responsável e de bons costumes, estava grávida de um namoradinho que via ela de 2 em 2 meses.
Niall continuou calado. Tentei abrir meus olhos e encarei os de Niall, que agora estavam tão perto dos meus.
Seus olhos se fecharam, e eu senti seus lábios nos meus.
Niall me deu um selinho demorado. Um selinho de saudade.
 - Vamos enfrentar isso tudo juntos... Eu vou ser o melhor pai para essa criança... Eu vou dar todo o amor que alguém poderia dar a um filho... Eu vou amar esse neném incondicionalmente. Eu vou ser o melhor pai do mundo... – ele anunciou e me beijou de novo.
Um alivio encheu meus ossos de ainda mais força.
 - Eu juro que seremos uma família feliz... – ele respirou fundo, e logo estava chorando de emoção. Abrindo aquele sorriso que eu tanto amava.
 -  Mas eu nem comecei a faculdade, e você nunca vai ter tempo...
 - S/N, meu amor, me escuta. Nós vamos dar um jeito. Eu juro que tem um jeito. Você se muda pra Londres, ou eu tento fazer turnês com pausas maiores... Nós vamos conseguir. Eu te juro que seremos uma família de verdade! Essa vai ser a barra mais difícil que vamos enfrentar, mas nós podemos, pois nós estamos juntos, entendeu? – ele sorriu confortante, e beijou meus lábios novamente.
Ficamos um bom tempo, abraçados deitados na cama.
 Niall passava a mão na minha barriga acariciando, e fazer cócegas nela.
 - Eu sou o homem mais feliz do mundo... – ele disse sorrindo e me beijou novamente.

Alguns dias se passaram, e eu fui obrigada a contar para a minha família. A barriga já estava dando sinais.
Ninguém aceitou bem. Na verdade meu pai resolveu me expulsar de casa, pois disse que filha dele não engravida antes de casar. Eu aceitei.
Niall quando soube, fez questão de pagar o melhor hotel da cidade, para que eu pudesse ficar só até o dia da minha viagem para Londres estar pronta.


Realmente o medo fez parte de muitas coisas durante aquele período. Mas eu estava com Niall. Eu estava bem.

4 comentários:

  1. Simplesmente,amei!!!
    Também,como não amar o que você escreve ?
    -Renata

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu sinceramente ñ sei como descrever como fico feliz com tudo isso!

      Excluir

Regrinhas básicas para o bom funcionamento do CupTea
- Se estiver em anonimo, por favor deixe seu nome.
- Deixe seu blog em baixo; Queremos ver sobre o que você escreve..
- Coisas mais pessoais ou coisas assim, diga em um dos meus contatos.
- Quer xingar? Então que ofenda, mais saiba que não é por que você tem baixo calão, eu tenho que cair nesse nível.
Malikisses, e Horanhugs